sábado, 30 de abril de 2011

Novos documentários: Wine From Here; The Fine Wine Games; El Camino Del Vino e Blood into Wine (trailers aqui!)

Depois das clássicas produções no mundo do vinho, como o histórico Bottle Shock (2008); o inusitado Sideways (2004); o impactante Mondovino (2004) e outras produções (in)diretas sobre o tema, como Um Bom Ano (2006), os filmes e documentários relacionados ao vinho começam a se renovar e aumentar o material sobre o tema. Abaixo listo alguns documentários que são novidade e deixo algumas informações sobre eles. Assim que tiver a oportunidade assisti-los, abra um bom vinho, regue sua taça e bom filme!

1. Wine From Here - Natural Wine in California
Este documentário tem como tema principal a produção de vinho natural na Califórnia. Na produção dos irmãos Martin Carel e Matthieu Tanguay-Carel, 14 produtores entrevistados e dão seus relatos sobre os benefícios e dificuldades associados a este tipo de produção. O lançamento está previsto para Julho de 2011, mas o trailer já está disponível e vale a pena conferir.
Para mais informações: http://winefromhere.com/ .
Assista o trailer oficial AQUI.

2. El Camino del Vino
El Camino del Vino, documentário sobre vinhos, escrito e dirigido pelo cineasta argentino Nicolas Carreras, será exibido durante a London International Wine Fair deste ano, que acontece de 17 a 19 de maio, em Londres. O filme conta a história do sommelier Charlie Arturaola, que vai a Mendoza, Argentina, participar do Masters of Food and Wine e no evento, entre glamour, estresse e correria, ele perde seu palato. 
Na busca por uma solução para seu problema ele se encontra com grandes nomes mundiais quando o assunto é vinho, entre eles Michel Rolland, que o aconselha a “limpar” seu paladar com os grandes vinhos daquela região. Então, o sommelier começa uma jornada entre vinhas e adegas, pequenas e grandes, e festas da vindima. Depois de verificar sua incapacidade de encontrar a fórmula de “melhor vinho”, sua viagem torna-se um retorno a sua essência. O documentário oscila entre comédia e drama. 
Para mais informações: http://www.elcaminodelvino.tv/


3. Blood into Wine: The Arizona Stronghold
Este filme de 2010 relata a vida de dois parceiros dispostos a fazer bons vinhos no Arizona. O filme é repleto de músicas e pitadas de comédia e, por isso, muitos críticos estão o considerando como a versão moderna do Sideways.
Para mais informações: http://www.bloodintowine.com/



 4. The Fine Wine Games
Este documentário aborda o crescente interesse da China pela região e pelos vinhos de Bordeaux. A produção, apresentada pelo Master of Wine Andrew Caillard da empresa de leilão australiana Langton’s, tem como principal objetivo mostrar o ciclo de vida das vinhas e rotina da região.
Depois da região de Bordeaux, o documentário mostrará a província chinesa de Shandong, onde a maior parte da produção vinícola do país está concentrada. O Próprio Château Lafite possui 25 hectares de vinhedo na região.
A direção de The Fine Wine Games fica por conta de Warwick Ross e co-direção por David Roach.
Ainda sem previsão de lançamento.




sexta-feira, 29 de abril de 2011

Espanha e Portugal bem representados na Expovinis 2011!

Portugal e Espanha, duas das regiões vinícolas mais importantes para o mundo do vinho, por sua tradição e pela qualidade histórica de seus produtos, estiveram bem representadas na Expovinis 2011. O que pude ver (e rever) das duas regiões me agradou muito.
No stand de Portugal, provei alguns Vinhos Verdes muito interessantes, alguns vinhos jovens com destaque e ainda vinhos de produtores novos, de regiões como Alentejo, Douro, Dão e outras que podem entrar no mercado brasileiro e agradar muita gente. Vale lembrar empresas como a Qualimpor, que trouxe grandes exemplares portugueses para a feira (fotos).
Enquanto isso, mudando de stand e viajando até a Espanha, pude provar muitos vinhos de Ribera del Duero e apenas comprovar como são bons. A Del Maipo trouxe dois ou três produtores dessa região que estavam com vinhos muito interessantes (fotos).
Boa sorte aos novos produtores, para abertura de mercado e maior exposição de seus vinhos e, claro, a permanência e constância ainda maior dos vinhos consagrados no nosso país. Parabéns a Expovinis e a todos os envolvidos neste grande evento.
São países ótimos em matéria de vinho, marcados pela diversidade e pela qualidade, e sempre que abrimos uma garrafa de seus vinhos, temos boas surpresas.
Deixo aqui algumas boas lembranças das duas regiões:

Qualimpor: 1 e 2. Série monovarietais Herdade do Esporão: para todos os gostos; 3. Clássicos do esporão: Esporão Reserva 2008 e Esporão Private Selection 2007.

Qualimpor: Quinta do Crasto com ótimos exemplares, como Crasto Superior 2009 e Quinta do Crasto Reserva Vinhas Velhas 2008.

Del Maipo: Espanha representada com vinhos tipícos de Tempranillo, como o ótimo Yllera Dominus 2004.

Del Maipo: Fizemos uma pequena degustação vertical destes três ótimos exemplares espanhóis Viña Rufina. Da esquerda para a direita:  Reserva 2001, Reserva 2000 e Gran Reserva 1999. 

Campanha: “Importadoras, adotem um vinho Francês”

É claro que essa campanha é em tom de brincadeira, apenas pra expressar a grande diversidade de vinhos franceses bons que estavam na Expovinis de 2011 e, quem sabe, que possam estar no mercado brasileiro nos próximos meses...
Ficou fácil ver a qualidade de alguns Bordeaux, uma região privilegiada quando estamos falando sobre vinhos... Da Borgonha ao Loire, de caros a baratos, não importa: os stands franceses estavam repletos de bons vinhos e, principalmente, produtores buscando oportunidades no mercado brasileiro que realmente tem chamado sua atenção (e isso foi o que eu ouvi de vários deles).
Entretanto, apesar do custo acessível de alguns deles lá fora, com as tarifações e impostos o preço repassado ao consumidor seria bem mais alto. Alguns produtores comentaram que certos Bordeaux poderão chegar aqui pelo preço de R$ 40-80,00. Nada mal...
Além destes que ainda estão na busca por importadores, vale destacar que a Enoteca Fasano, Decanter e Del Maipo (simpático produtor da região de Bordeaux, Sr. Alain Aubert) trouxeram exemplares franceses muito bons, de peso e qualidade.
Abaixo algumas fotos de vinhos que gostei e que teriam potencial aqui no nosso país. Fica uma certeza: os vinhos estavam ótimos, só faltou tempo pra poder conhecer tudo!
Ficam os votos para que rótulos como estes, e diversos outros, tenham tido êxito na Expovinis, para abrir seu mercado a outras regiões, como o nosso Brasil.
Até lá, ficam as lembranças de bons vinhos degustados.


1. Volnay-Santenots Premier Cru (Borgonha); Chateau Gouprie 2007 (Pomerol); Château Mayne-Cabanot 2007 (Bordeaux)


1. Domaine D´Antugnac Pinot Noir 2009; 2. Manuel Olivier Pinot Noir 2009 (Borgonha); Château Matras 2008 (Sant Émilion)


1. Château Barateau 2006 (Haut Médoc); 2. Château Terrasson (Imp: Enoteca Fasano); 3. Chateau German 2009 (Imp: Del Maipo) 

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Wine Future 2011 em Hong Kong: Grande evento e grandes nomes como Jancis Robinson e Robert Parker

Duas das maiores personalidades do mundo do vinho, Jancis Robinson e Robert Parker, estarão no evento Wine Future 2011, de 6-8 de Novembro em Hong Kong. A primeira conferência aconteceu em 2009, em Rioja (Espanha), e para esta versão espera atrair mais de 2.000 jurados e personalidades do ramo, visando debater sobre as soluções para os principais problemas que o mercado mundial de vinho enfrenta atualmente.
Desta forma, o Wine Future 2011 irá se concentrar nas tendências de negócios, o vinho como investimento, uvas e regiões do futuro, desafios e oportunidades para o Novo Mundo, comunicação e estratégias de marketing, além das novas condições econômicas e outros.
A mudança da conferência da Europa para a Ásia visa principalmente trazer o foco para uma das regiões mais importantes do mundo, e os três dias de evento ainda incluirão degustações e master class.
Robert Parker conduzirá um master class sobre “Os vinte mágicos”, apresentando os 20 Bordeaux que ele considera como os mais interessantes para o futuro próximo, com foco nos mercados asiáticos. Alguém tem dúvida de como será a venda destes vinhos?
Além disto, essa edição ainda terá duas degustações adicionais: Jancis Robinson conduzirá uma dedicada aos estilos e varietais do futuro, bem como as regiões emergentes na área. A outra ficará por conta de Pancho Campo, organizador da primeira edição em Rioja,  com tema “A diversidade e a paixão de vinhos espanhóis”, trazendo um pouco de diferentes regiões vinícolas espanholas, como Rioja, Ribera del Duero, Jumilla, Priorat, Toro, Aragón, Penedès e Jerez.
Outros palestrantes confirmados:
Michel Rolland, Steven Spurrier, Robert Joseph, Miguel Torres, Angelo Gaja, Pierre Lurton, Christian Seely, Randall Grahm and Nigel Greening.
Para mais informações:
(Organização: Academia do Vinho da Espanha, com apoio de Madwine e Asia Wine Service & Education Centre (AWSEC).


terça-feira, 26 de abril de 2011

Rioja e Ribera del Duero: excelentes safras em 2010

No mês de Abril as Denominações de Origem de Rioja e Ribera del Duero, na Espanha, divulgaram oficialmente que a safra de 2010 pode ser considerada como “excelente”.  
Esta avaliação de cada safra é feita após a avaliação dos vinhos jovens de cada denominação. Estes vinhos já estão a venda e são de grande importância, pois a partir deles pode-se prever a qualidade média dos Crianza, Reserva e dos Gran Reserva, que serão comercializados nos próximos anos.
 Em Rioja, a diversidade dos vinhos é o que mais impressiona. A D.O. abrange uma grande área de terra, de aproximadamente 100 km de comprimento por 40 km de largura. Cada uma de suas três subáreas (La Rioja Alta, Rioja Baja e Rioja Alavesa) tem suas características específicas de solo e clima, fazendo com que haja uma grande diversidade nas características dos vinhos produzidos na região. Agregando a qualidade desta última safra, tudo leva a crer que os vinhos estarão ainda mais atrativos.
Enquanto isso, em Ribera del Duero essa safra tem ainda mais importância, pois é a segunda com classificação de “excelente”, depois da safra de 2009. Após a apresentação oficial da pontuação foi assegurado que, embora parecesse difícil, a safra de 2010 estará ainda melhor que a de 2009.
Bom, agora é com a gente, provar e comprovar! Ótima oportunidade para investir nos espanhóis de 2010 que, se não perfeitos, ao menos a certeza de bons momentos!

Regiões vinícolas da Espanha: Ribera del Duero e Rioja com safras excelentes em 2010

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Os vinhos mais pontuados da história por Robert Parker: Lista completa dos vinhos que receberam 100 pontos

Hoje apresento a lista completa (até o final de 2010) dos vinhos que obtiveram a pontuação máxima do crítico renomado Robert Parker (The Wine Advocate), ao longo da história. Mesmo se você é daqueles que não liga para pontos e notas, o importante aqui é que se trata de uma lista de vinhos renomados, sendo que qualquer um desta lista poderá ser a ocasião especial.

Algumas informações importantes:
1. Podemos ver uma supremacia dos vinhos franceses, seguidos dos americanos, como os mais valorizados.
2. Se os vinhos franceses dominam, de forma semelhante, a França é o país que lidera quanto ao número de vinícolas no topo, resultado da famosa tradição francesa na arte de fazer bons vinhos, do seu “savoir-faire” de reputação invejável e de tantas premiações ao longo da história do vinho.
3. Enquanto isso, é importante destacar a vinícola Sine Qua Non (Califórnia), com 9 diferentes vinhos na prestigiosa lista.
4. Além disso, organizei a lista na forma de alguns marcadores, pra ficar mais interessante a visualização e cruzarmos algumas informações:

- Quantidade total de vinhos: 113
- Distribuição por países:
 64
: 29
: 6
: 5
: 4
: 3
: 2
-  País com maior número de vinhos: França
- Vinícola com maior número de vinhos: Sine Qua Non – Califórnia, USA
- Vinho com maior número de safras de 100 pontos: 1º: La Mouline (França, 9 safras); 2º e 3º: Petrus (França, 7 safras) e La Landonne (França, 7 safras)
- Ano/Safra mais presente: 1º: 2007 (18); 2º: 2003 (17) ; 3º: 1990 e 2005 (15)
- Safra mais antiga: 1811 (Château d'Yquem, degustado em 1996)

Senti falta de um de nossos produtos nessa lista... Quem sabe um dia?
Aqui vai:

1. Viña el Pisón 2004, Artadi wineries, Spain.
2. Contador Contador 2004 and 2005, Benjamin Romeo wineries, Spain.
3. Remirez de Ganuza Gran Reserva 2004, Remirez de Ganuza winerie, Spain.
4. Termanthia 2004, from Numanthia Termes, Toro, Spain.
5. Pingus 2004, Dominio de Pingus, Ribera Del Duero, Spain.
6. Clos Erasmus 2004 and 2005, Clos i Terrasses wineries, Spain.
7. Abreu Cabernet Sauvignon Madrona Ranch 1997, Napa Valley, USA.
8. Abreu Cabernet Sauvignon Thorevilos 2002, Napa Valley, USA.
9. Alban Vineyards Syrah Lorraine 2005 and Alban Vineyards Syrah Lorraine 2006, Edna Valley, USA.
10. Alban Vineyards Syrah Reva Alban Estate Vineyard 2005 and Alban Vineyards Syrah Reva Alban Estate Vineyard 2006, Edna Valley, USA.
11. Bruno Giacosa Barolo Riserva Collina Rionda 1989, Piamonte, Italy.
12. Bryant Family Vineyard Cabernet Sauvignon 1997, Napa Valley, USA.
13. M. Chapoutier Côte-Rôtie La Mordorée 1991, Côte-Rôtie, Rhone, France.
14. M. Chapoutier Ermitage Blanc De L'Orée 2000, Hermitage, Rhone, France.
15. M. Chapoutier Ermitage l'Ermite 2003, Hermitage, Rhone, France.
16. Chapoutier Ermitage l'Ermite Blanc 1999, Chapoutier Ermitage l'Ermite Blanc 2000, Chapoutier Ermitage l'Ermite Blanc 2003, Chapoutier Ermitage l'Ermite Blanc 2004 y Chapoutier Ermitage l'Ermite Blanc 2006, Hermitage, Rhone, France.
17. M. Chapoutier Ermitage Blanc Le Méal 2004, Hermitage, Rhone, France.
18. M. Chapoutier Ermitage Le Pavillon 1989, M. Chapoutier Ermitage Le Pavillon 1990, M. Chapoutier Ermitage Le Pavillon 1991 and M. Chapoutier Ermitage Le Pavillon 2003, Hermitage, Rhone, France.
19. Château Ausone 2003 and Château Ausone 2005, Saint Émilion, Bordeaux, France.
20. Château Beauséjour Duffau-Lagarrosse 1990, Saint Émilion, Bordeaux, France.
21. Château de Beaucastel Châteauneuf-du-Pape Hommage à Jacques Perrin 1989, Château de Beaucastel Châteauneuf-du-Pape Hommage à Jacques Perrin 1990, Château de Beaucastel Châteauneuf-du-Pape Hommage à Jacques Perrin 1998 and Château de Beaucastel Châteauneuf-du-Pape Hommage à Jacques Perrin 2007, Châteauneuf-du-Pape, Rhone, France.
22. Château Cheval Blanc 1947 y Château Cheval Blanc 2000, Saint Émilion, Bordeaux, France.
23. Château Climens 2001, Barsac, Bordeaux, France.
24. Château Clinet 1989, Pomerol, Bordeaux, France.
25. Château d'Yquem 1811, Château d'Yquem 1847 and Château d'Yquem 2001, Sauternes, Bordeaux, France.
26. Saint Cosme Gigondas Hominis Fides 2007, Gigondas, Rhone, France.
27. Château Haut Brion 1945, Château Haut Brion 1961 and Château Haut Brion 1989, Pessac Léognan, Bordeaux, France.
28. Château La Clusière 2000, Saint Émilion, Bordeaux, France.
29. Château Tirecul La Graviere Cuvée Madame 1995, Monbazillac, Southwest France.
30. Château La Mission Haut-Brion 1955, Château La Mission Haut-Brion 1959, Château La Mission Haut-Brion 1975, Château La Mission-Haut Brion 1982 and Château La Mission Haut-Brion 2000, Pessac-Léognan, Bordeaux, France.
31. Chateau Lafite Rothschild 1996 and Chateau Lafite Rothschild 2003, Pauillac, Bordeaux, France.
32. Château Lafleur 1945, Château Lafleur 1947, Château Lafleur 1950, Château Lafleur 1975, Château Lafleur 1982 and Château Lafleur 2000, Pomerol, Bordeaux, France.
33. Château Latour 1961 and Château Latour 1982, Pauillac, Bordeaux, France.
34. Château La Tour a Pomerol 1947 and Château La Tour a Pomerol 1961, Pomerol, Bordeaux, France.
35. Château L'Église-Clinet 1921, Château L'Église-Clinet 1947 and Château L'Église-Clinet 2005, Pomerol, Bordeaux, France.
36. Chateau Le Pin 1982, Pomerol, Bordeaux, France.
37. Chateau Leoville-Las Cases 1982, Saint-Julien, Bordeaux, France.
38. Château Margaux 1900, Château Margaux 1990 and Chateau Margaux 2000, Margaux, Bordeaux, France.
39. Chateau Montrose 1990, Saint-Estèphe, Bordeaux, France.
40. Château Mouton-Rothschild 1945, Château Mouton-Rothschild 1959, Château Mouton-Rothschild 1982 and Château Mouton-Rothschild 1986, Pauillac, Bordeaux, France.
41. Château Pavie 2000, Saint Émilion, Bordeaux, France.
42. Petrus 1921, Petrus 1929, Petrus 1947, Petrus 1961, Petrus 1989, Petrus 1990 and Petrus 2000, Pomerol, Bordeaux, France.
43. Chateau Pichon-Longueville Comtesse de Lalande 1982, Pauillac, Bordeaux, France.
44. Domaine Jean-Louis Chave Hermitage Cuvée Cathelin 1990 and Domaine Jean-Louis Chave Hermitage Cuvée Cathelin 2003, Hermitage, Rhône, France.
45. Domaine Jean-Louis Chave Crozes-Hermitage 2003, Crozes-Hermitage, Rhône, France.
46. Chris Ringland Shiraz 1996, Chris Ringland Shiraz 1998, Chris Ringland Shiraz 2001, Chris Ringland Shiraz 2002 and Chris Ringland Shiraz 2004, South Australia, Australia.
47. Clos Saint Jean Châteauneuf-du-Pape Deus-Ex Machina 2005 and Clos Saint Jean Châteauneuf-du-Pape Deus-Ex Machina 2007, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
48. Clos Saint Jean Châteauneuf-du-Pape La Combe des Fous 2007, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
49. Clos Saint Jean Châteauneuf-du-Pape Sanctus Sanctorum 2007,Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
50. Colgin Cabernet Sauvignon Tychson Hill Vineyard 2002, Napa Valley, California, USA.
51. Colgin IX Proprietary Red 2006 and Colgin IX Proprietary Red 2007, Napa Valley, California, USA.
52. Dalla Valle Maya 1992, Oakville, California, USA.
53. Domaine Claude et Maurice Dugat Griotte Chambertin 1993, Griotte-Chambertin, Burgundy, France.
54. Domaine de la Mordoree Cuvee de la Reine des Bois Chateauneuf du Pape 2001, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
55. Domaine de la Romanée-Conti La Tache 1990, Côte de Nuits, Burgundy, France.
56. Domaine de la Romanée-Conti Montrachet 1986, Montrachet, Burgundy, France.
57. Domaine de la Romanée-Conti Richebourg Grand Cru 1929, Côte de Nuits, Burgundy, France.
58. Domaine de la Romanée-Conti 1985, Côte de Nuits, Burgundy, France.
59. Domaine de la Vieille Julienne Chateauneuf du Pape Reserve 2001, Domaine de la Vieille Julienne Chateauneuf du Pape Reserve 2003 and Domaine de la Vieille Julienne Chateauneuf du Pape Reserve 2005, Vallée du Rhône, Rhône, France.
60. Domaine Saint-Préfert Châteauneuf-du-Pape Collection Charles Giraud 2007, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
61. Domaine du Clos du Caillou Chateauneuf du Pape Reserve le Clos du Caillou 2001, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
62. Domaine du Pegau Chateauneuf du Pape Cuvee da Capo 1998 and Domaine du Pegau Chateauneuf du Pape Cuvee da Capo 2000, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
63. Domaine Leroy Latricieres-Chambertin 1991, Côte de Nuits, Burgundy, France.
64. Domaine Roger Sabon Chateauneuf du Pape le Secret de Sabon 2001, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
65. Domaine Weinbach Gewurztraminer Furstentum Quintessence de Grains Nobles 2001, Alsace, France.
66. Zind-Humbrecht Gewurztraminer Heimbourg Vendange Tardive 1990, Alsace, France.
67. Zind-Humbrecht Clos Windsbuhl Pinot Gris 1989 and Zind-Humbrecht Clos Windsbuhl Pinot Gris 1990, Alsace, France.
68. Zind-Humbrecht Pinot Gris "Clos Jebsal" 1990, Alsace, France.
69. Greenock Creek Cabernet Sauvignon Roennfeldt Road 1998 and Greenock Creek Cabernet Sauvignon Roennfeldt Road 2002, Barossa Valley, Australia.
70. Greenock Creek Shiraz Creek Block 2001 and Greenock Creek Shiraz Creek Block 2003, Barossa Valley, Australia.
71. Greenock Creek Shiraz Roennfeldt Road 1995, Greenock Creek Shiraz Roennfeldt Road 1996, Greenock Creek Shiraz Roennfeldt Road 1998 and Greenock Creek Shiraz Roennfeldt Road 2002, Barossa Valley, Australia.
72. La Landonne 1985, La Landonne 1988, La Landonne 1990, La Landonne 1998, La Landonne 1999, La Landonne 2003 and La Landonne 2005, Côte-Rôtie Rhône, France.
73. La Mouline 1976, La Mouline 1978, La Mouline 1983, La Mouline 1985, La Mouline 1988, La Mouline 1991, La Mouline 1999, La Mouline 2003 and La Mouline 2005, Côte-Rôtie, Rhône, France.
74. La Turque 1985, La Turque 1988, La Turque 1999, La Turque 2003 and La Turque 2005, Côte-Rôtie, Rhône, France.
75. Guigal Hermitage Ex Voto 2003, Hermitage, Rhône, France.
76. Harlan Estate 1994, Harlan Estate 1997, Harlan Estate 2001 and Harlan Estate 2002, Napa Valley, USA.
77. Henri Bonneau Châteauneuf-du-Pape Réserve des Célestins 1990, Châteauneuf-du-Pape, , Rhône, France.
78. Hermann Donnhoff Riesling Eiswein Oberhauser Brucke 2001, Hermann Donnhoff Riesling Eiswein Oberhauser Brucke 2002 and Hermann Donnhoff Riesling Eiswein Oberhauser Brucke 2004, Nahe, Germany.
79. Jose Maria da Fonseca Moscatel de Setubal 1947, Moscatel de Setúbal, Setúbal, Portugal.
80. Kapcsandy Family Winery Cabernet Sauvignon, State Lane Vineyard 2007, Napa Valley, USA.
81. Les Cailloux Cuvée Centenaire 1990, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
82. Mas de Boislauzon Cuvee du Quet 2007, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
83. Michel Ogier Cuvée Belle Helene 1999, Côte-Rôtie, Rhône, France.
84. Paul Hobbs Beckstoffer To Kalon Vineyard Cabernet Sauvignon 2002, Napa Valley, USA.
85. La Chapelle Paul Jaboulet-Aîné 1961, La Chapelle Paul Jaboulet-Aîné 1978, La Chapelle Paul Jaboulet-Aîné 1990, Hermitage, Rhône, France.
86. Penfolds Grange 1976, Barossa Valley, Australia.
87. Pierre Usseglio Chateauneuf du Pape Cuvee de Mon Aieul 2007, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
88. Pierre Usseglio Chateauneuf du Pape Reserve des Deux Freres 2007, Châteauneuf-du-Pape, Rhône, France.
89. Quilceda Creek Cabernet Sauvignon 2002, Quilceda Creek Cabernet Sauvignon 2003, Quilceda Creek Cabernet Sauvignon 2005 and Quilceda Creek Cabernet Sauvignon 2007, Columbia Valley, Washington, USA. 
90. Quinta do Noval Oporto Vintage 1997, Porto, Portugal.
91. Rene Rostaing Cote Blonde 1999, Côte-Rôtie, Rhône, France.
92. Saxum James Berry Vineyard 2007, Central Coast, California, USA.
93. Scarecrow Cabernet Sauvignon 2007, Rutherford, Napa Valley, USA.
94. Schloss Lieser Brauneberger Juffer Sonnenuhr Auslese Long Gold 
Capsule 2007, Mosel, Germany.
95. Schrader Cabernet Sauvignon Ccs 2006 and Schrader Cabernet Sauvignon Ccs 2007, Napa Valley, USA. 
96. Schrader Cabernet Sauvignon Old Sparky 2006 and Schrader Cabernet Sauvignon Old Sparky 2007, Napa Valley, USA.
97. Screaming Eagle Cabernet Sauvignon 1997, Napa Valley, USA.
98. Seppeltsfield Para Oporto Vintage Tawny 1909, Porto, Portugal.
99. Shafer Hillside Select Cabernet Sauvignon 2002, Napa Valley, USA.
100. Sine Qua Non Mr K The Strawman Marsanne 2005, Central Coast, California, USA.
101. Sine Qua Non The 17th Nail In My Cranium 2005, Central Coast, California, USA.
102. Sine Qua Non Suey TBA 2000, Edna Valley, California, USA.
103. Sine Qua Non Mr K The Strawman Sémillon 2004, Central Coast, California, USA. 
104. Sine Qua Non Atlantis Fe 203-1A Syrah 2005, Central Coast, California, USA.
105. Sine Qua Non A Shot In The Dark 2006, Central Coast, California, USA.
106. Sine Qua Non Poker Face Syrah 2004, Central Coast, California, USA.
107. Sine Qua Non For The Love Of It Syrah 2002, Central Coast, California, USA.
108. Sine Qua Non The Inaugural Syrah 2003, Central Coast, California, USA.
109. Sloan Proprietary Red 2002, Napa Valley, California, USA.
110. Taylor Fladgate Oporto Vintage 1992, Porto, Portugal.
111. Sassicaia 1985, Tuscany, Italy
112. Tua Rita Redigaffi 2000, Tuscany, Italy
113. Vérité La Joie 2007, Sonoma County, California, USA.

domingo, 24 de abril de 2011

Vinho como investimento: 5 dicas básicas


O investimento em vinhos é um ramo muito lucrativo e rentável, mas não menos complexo! Alguns especialistas estimam que, em projetos bem-sucedidos, o retorno pode chegar a 30%. Se pensarmos apenas nos montantes, a primeira idéia é que realmente é um mercado atrativo...
Mas claro, quando pensamos no vinho como uma ação ou como um investimento, temos que sempre ter em mente que, ao mesmo tempo em que estão sujeitos a valorização, o inverso também pode acontecer. E, quando não uma preocupante desvalorização, você poderá encarar uma performance muito mais modesta do que o esperado/necessário... Mas em meios as cifras aparentemente positivas, começam a entrar uma série de fatores que influenciam, e muito, no lucro final em cima do produto.
            Primeiro e mais simples: aquisição do vinho. Você terá gastos relacionados a todo o processo de compra e recebimento do produto. Neste meio teremos uma série de impostos, pagamento relativo ao seu importador, e por ai em diante.
            Além disso, temos que lembrar da importância do armazenamento do vinho. Caso você não tenha as condições ideais, você estará automaticamente desvalorizando o seu produto... Há lugares específicos para isso, mas no exterior. Em Londres, por exemplo, o custo para armazenar uma caixa de 12 garrafas gira em torno de 6-10 libras. Em 5 anos, esse pequeno valor poderá ser representativo (chegando a 5% sobre o preço da aquisição, variando de acordo com o preço do produto e mais influenciável em vinhos de preço mais acessível).
            E no final da nossa cadeia simplificada: você precisará vender o vinho. A partir daí, geralmente os empresários que lidam com esta área contratam uma empresa para o leilão. Você pretende escolher uma casa reputada de leilões? Pois bem, o mestre leiloeiro irá arrematar cerca de 10% sobre o preço de venda dos seus produtos...
            Resumimos assim: gastos com a aquisição dos seus produtos, transporte, novamente os impostos de importação, taxa relacionada ao seu importador, os eventuais impostos (que não são poucos), gastos com divulgação, cerimônia de leilão... ufa! Tem muito mais por aí... Isso nos deixa claro que realmente não é um ramo fácil (mas melhor assim, senão todos fariam, certo?). Quantos nos resta?
            Após sua devida análise crítica e um estudo bem mais detalhado no assunto (mais do que a simples abordagem que trouxe aqui) você decidir entrar no ramo, aqui vão CINCO dicas básicas para sempre ter em mente. Lembrando que não sou economista, publicitário ou vendedor, então a minha idéia aqui não é preparar ninguém para um trabalho como este, mas apenas informar e pensarmos juntos neste assunto. Aqui vão:

 1. Estudo crítico e minuncioso:
Análise de investimento e risco, gastos de toda a cadeia desde a compra a venda, lucros de retorno a longo e médio prazo. Reflexões como estas podem ajudar: O que eu quero, como eu quero, qual o meu público (e quanto eles poderão pagar), quanto quero e, claro, quanto posso pagar...
Os estudos no papel fazem com que o planejamento o deixe preparado para futuras variações. Aqui colocamos uma situação crucial: Análise de mercado. Vejamos um exemplo prático:
Neste ano estão surgindo as primeiras notas e matérias sobre a prometida safra 2010 de Bordeaux, que tudo indica que será muito aclamada (aqui uma pequena revisão). Acho que todos sabem o que quer dizer um ano superlativo para Bordeaux: altos custos. Desta forma, visar vinhos assim é de grande importância, a partir das primeiras notas de degustação, do que foi plantado, do estudo do clima, chuvas e incidência de sol ao longo do amadurecimento das uvas...
O vinho como investimento, ou para o futuro, deve ser visto como um produto adquirido muito cedo, ainda durante o seu processo, antes de serem engarrafados e oferecidos ao público. Os preços são definidos após a sua prova nos barris (geralmente na primavera, após a colheita).

2. Compre apenas de comerciantes e vendedores renomados e de reputação impecável:
Equipe? Com quem vou trabalhar? Quem serão os apoios ao longo de todo o processo? Isso é de suma importância, pois isso será diretamente repassado ao sucesso do seu empreendimento. Ao mesmo tempo, estrutura física é importante, para que isso possa ser passado aos futuros clientes, gerando segurança e confiança, aquela imagem de inabalável...
            Resultado: trabalhe com os melhores.

3. Compre apenas os melhores.
            O seu produto é a sua imagem. Compre os renomados, como os premier cru: Chateau Lafite Rothschild, Chateau Margaux, Chateau Latour, Chateau Haut Brion, Chateau Mouton Rotschild. Eles são caros, mas tornam o seu negócio mais propenso ao sucesso e estabilidade.
            Mas não se feche apenas a eles, saiba o que realmente tem potencial. Uma boa e ampla análise, contato com pessoas do ramo e vendedores astutos poderão guiar seu caminho.

4. Tenha muita paciência.
            Desde a aquisição até os primeiros resultados leva muito tempo. Serão, em média, dois anos entre a compra e recebê-lo na garrafa. E depois disso, provavelmente, mais 10 anos ou mais para poder consumir...

5. Lembre-se sempre que, como um investimento, o valor do seu vinho pode aumentar, diminuir ou permanecer igual.
            Nesta etapa há um envolvimento das variáveis mais diversas, desde o balanço da economia ao longo do tempo até o momento em que se bate o martelo para a venda, sua qualidade e valorização com o passar dos anos, a reputação de seu negócio e os clientes em potencial que atraiu para ele, etc.
            Espere para vender, mas esteja pronto para fazê-lo assim que necessário. Quanto maior o investimento inicial, maior seu retorno.
            Lembre-se que, como qualquer investimento, tem seu risco associado. A combinação de diversos fatores citados aqui poderá colaborar para o sucesso do seu investimento. 
            Neste caso, boa sorte.


sábado, 23 de abril de 2011

Dia da Terra: Ações de vinícolas para manter o Planeta Terra verde! (E o melhor: você também pode colaborar...)

O Dia da Terra, uma celebração internacional do meio-ambiente, foi criado em 22 de Abril de 1970 nos Estados Unidos e, ontem, fez seu aniversário de 41 anos. A comemoração envolve diversas práticas ambientais e ações que visem sua manutenção e melhoria. O tema deste ano foi “Um bilhão de atos verdes” (tradução livre), destinados a inspirar um bilhão de atos de caráter ambiental. O mais interessante de se notar é que muitas vinícolas estão fazendo sua parte e você pode fazer a sua, veja maiores detalhes do Dia da Terra no site oficial (aqui).



- Fetzer Vineyards, que se apresenta como uma vinícola “Earth Friendly”, lançou este ano um selo especial para o seu Chardonnay 2010 (encontrado lá fora por cerca de U$ 9.00), que retrata uma paisagem do vale feita pelo artista local Anne Kessler, representando o seu padrão atual de garrafas que estão 17% mais leves e 35% de garrafas feitas de vidro reciclado.
            Além disso, para comemorar os 25 anos desde a sua primeira ação sustentável, a empresa está fazendo uma doação no valor de U$ 10.000 para a Leave No Trace Center, uma organização sem fins lucrativos dedicada a ensinar as pessoas a desfrutar de atividades ao ar livre sem causar impactos ambientais.
            ATENÇÃO LEITORES: visitem o facebook.com/fetzer pois, até dia 01 de Junho, a companhia doará U$ 1 dólar por cada pessoa que aderir a causa e, ainda, mais U$ 1 dólar por cada um doado (Histórias e Vinhos está lá!).

- A região de Champagne também entrou com ações benéficas ao meio-ambiente. Há algum tempo eles vêm desenvolvendo um projeto para utilizar uma garrafa mais leve para os espumantes e, além disso, têm feito esforços para reciclar 91% das águas residuais provenientes das adegas...
Nesta edição do evento eles apresentaram sua próxima ação para reduzir suas emissões de carbono: Poda da videira. Isso mesmo! Parece pouco, mas ao longo do tempo, todos estes cortes acumulam cerca de 150.000 toneladas métricas por ano de material na região de Champagne.
Uma auditoria realizada na região mostrou que, enquanto a produção de energia e transporte de garrafas contribui com 17% de emissão de carbono da região, as atividades relacionadas à produção de vinho cerca de 15%. A partir destas constatações, a organização francesa Comité Interprofessionnel du Vin de Champagne (CIVC), iniciou o programa BIOVIVE para organizar os agricultores e produtores a recolher seus resíduos de madeira e doá-los aos serviços públicos, para serem usados em geradores e colaborar com a energia da fábrica durante o engarrafamento de champagne, evitando a utilização de carvão e petróleo.
Objetivo principal: reduzir as emissões de carbono em 10.000 toneladas (o equivalente a retirar 5.000 carros das estradas).

- No ano passado, a vinícola Sequoia Grove teve a iniciativa da campanha “Salve uma árvore” e, nesta edição, voltou com força. Na noite do evento eles ofereceram seus vinhos para todo o público presente no show do grupo (pop e amante de vinhos) Train, realizado no Webster Hall, em Nova York. Os convidados da festa foram incentivados a assinar suas rolhas de vinhos e colocá-las em uma sequóia de papelão, sendo que a empresa Sequoia Grove vai plantar uma árvore em nome de cada assinatura, em parceria com a organização Global ReLeaf (que tem ações para cuidar do meio ambiente, como plantar e cuidar de árvores). A organização deste evento foi da Origins Rocks Earth Month, que já plantou mais de 90.000 árvores desde 2009...

- A Hess Collection concedeu cerca de U$   10.000 dólares para dois grupos ambientalistas, a Land Trust of Napa and the Napa County Student & Landowner Education, utilizando uma porcentagem das receitas provenientes da venda de vinhos. A Hess participa com cerca de 1% do programa “For the Planet”, uma coalizão de empresas que doam dinheiro de suas vendas para programas ambientais. Este ano, a empresa doou dinheiro da venda de seus vinhos da série Small Block e da Hess Sellect, além do Hess Collection Napa Valley Chardonnay.

- Desde julho de 2008, o produtor da Califórnia Trinity Oaks planta uma árvore para cada garrafa de vinho vendida. Perto da comemoração do Dia da Terra, a vinícola já chegava a marca de mais de 4,75 milhões de árvores plantadas, um número muito considerável. "O programa funciona durante todo o ano, sem nenhum limite para o número de plantações”, relatou oficialmente o diretor de marketing Tim Peters. Os vinhos podem ser encontrados no exterior na faixa de U$ 6-8 dólares.

- Uma parceria entre a Total Wine & More e a empresa Terra Cycle (líder mundial na coleta e reaproveitamento de resíduos pós-consumo não-recicláveis) pretende colocar caixas de coleta em algumas lojas onde clientes deixam vedantes de vinhos, para serem reaproveitadas em placas de cortiça “amigas do meio-ambiente”, produzidas com baixa energia de consumo. Iniciando na Califórnia, a Total Wine & More espera expandir o programa para suas 73 grandes lojas de vinhos espalhadas por 11 estados.

Aí estão belas iniciativas de vinícolas que tem feito a sua parte. Creio, seriamente, que o Brasil pode se adiantar nessa questão e iniciar os primeiros passos para colaborar com o meio-ambiente, no que diz respeito a menor geração de impacto ambiental, emissão de gás carbônico e, ao mesmo tempo, incentivando o plantio de árvores, reflorestamento de regiões ameaçadas e a preservação de espécies vegetais importantes para o nosso país.
            E nós, como consumidores, deveríamos apoiar empresas como estas que fortalecerão ainda mais suas atividades em prol do meio-ambiente. Conheça o site oficial do Dia da Terra e se associe a Fetzer no Facebook, este um dólar de cada um de nós blogueiros, consumidores, leitores e amantes do vinho, irão colaborar muito!
Ações do presente, resultados no futuro. 


sexta-feira, 22 de abril de 2011

Última Ceia: última refeição de Jesus e seus apóstolos foi na quarta e não quinta-feira?

É isso mesmo! O pesquisador da Universidade de Cambridge (Inglaterra), Colin Humphreys, afirma que a última refeição de Jesus Cristo com seus doze apóstolos ocorreu na quarta-feira anterior à sua Crucificação, e não como acreditamos até hoje, na quinta-feira. Em entrevista para a BBC, o professor disse que "isto tem confundido estudiosos da Bíblia por séculos, fato mais complicado no Novo Testamento".

Essa diferença, sobre a data da última refeição, estaria relacionada ao fato de que os Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas foram baseados em um calendário mais antigo que de o João. Na verdade, o calendário dos três era adaptado do que era utilizado no Egito nos tempos de Moisés - em vez do calendário lunar que era largamente adotado pelos judeus em sua época. Com isso, eles afirmam que a Última Ceia coincidiu com o Pessach (Páscoa Judaíca), enquanto João escreveu que ela ocorreu antes desta data.
"No Evangelho de João, ele está correto ao dizer que a Última Ceia ocorreu antes da refeição do Pessach, mas Jesus optou por fazer a sua Última Ceia como uma refeição de Pessach de acordo com um calendário judeu mais antigo", afirma o professor. Aí surgem as primeiras diferenças...
Além disso, o pesquisador acrescenta em seu livro que seria impensável que, entre a Última Ceia e a Crucificação, Jesus fosse preso, interrogado e julgado em apenas uma noite... E começam as divergências...
Com todas as suas constatações, o professor relata que a Ceia teria ocorrido em 1º de abril de 33, de acordo com o Calendário Juliano utilizado pelos historiadores. Sendo assim, suas hipóteses podem ser argumentos para fixar a Páscoa no primeiro Domingo de Abril.
E agora?
Feliz Páscoa atrasada.

Matéria publicada na BBC: http://www.bbc.co.uk/portuguese/

Conheça o Livro:
 The Mystery Of The Last Supper (em tradução livre, “O Mistério da Última Ceia”), no qual utiliza pesquisas bíblicas, históricas e até astronômicas para apresentar o que considera "inconsistências fundamentais" sobre o evento. Publicação: Cambridge University Press.


quinta-feira, 21 de abril de 2011

Vinhos e trufas de Cahors (França) são retratados no belo vídeo: The Scent of Black (assista-o aqui)

O vídeo The Scent of Black (ou “O Perfume Negro”), uma produção da Grape Radio e Grape Visions, retrata a história da região de Cahors, famosa por suas trufas negras e por seus vinhos Malbec, que exalam o melhor dos aromas negros existentes...
Um pouco de toda a história abordada no vídeo está transcrita abaixo (leia abaixo do video), sobre a histórica importância da Malbec para os vinhos da região de Cahors. Segundo os produtores “a alma do malbec vive em Cahors”, dando origem a vinhos negros, regados a aromas e sabores do seu terroir. O vídeo mostra os problemas com a filoxera e o auge e o declínio da produção de trufas, bem como sobre sua importância para região, desde o seu ritual de caça, venda até a culinária.
Cahors, a região do desconhecido ludibriante, dentro de cada um dos seus pequenos mundos e de seus infindáveis vales, nascem as trufas e os vinhos dos melhores perfumes negros...
Aproveite esta viagem por paisagens inesquecíveis...
                                           
Créditos: Grape Radio e Grape Visions

Muito comum antigamente em Bordeaux, a Malbec perdeu sua popularidade dentre as cinco variedades mais utilizadas nas misturas dos prestigiados vinhos da região. Enquanto isso, essa variedade aumentou muito seu status na região francesa de Cahors, área do sudeste de Bordeaux, onde dá origem a vinhos distintos e atrativos. Segundo os produtores da região, os vinhos têm o aroma negro do seu terroir, pela presença das atrativas trufas. Vinhos que se misturam as emoções e que pedem a interação dos sentidos...
No final do século 19, uma epidemia de filoxera destruiu muitos vinhedos do sul da França e, a partir daí, grandes extensões de terra foram direcionadas para o cultivo de trufas. Milhares de árvores produtoras foram plantadas e, nesta época, a França atingiu o auge de sua produção alcançando centenas de toneladas de trufas. Entretanto, as guerras durante o século 20 dizimaram os campos sendo que, a partir de 1945, a produção de trufas despencou e seus preços subiram dramaticamente. Se antigamente os franceses a utilizavam para todas as ocasiões, hoje em dia elas são uma iguaria rara, reservada para ricos e utilizada apenas em ocasiões especiais.
Atualmente, são tão valiosas quanto ouro para a culinária. Visadas pelo seu aroma, estas trufas são fungos que crescem exclusivamente nas raízes de árvores de Carvalho. Estas pequenas jóias são encontradas apenas no outono e no inverno, e nunca são vistas antes do seu crescimento dentro da terra. Para a caça as trufas, geralmente são utilizados porcos ou cachorros treinados. Cerca de 20% da produção francesa de trufas vem do sudoeste da França, a qual possui solos calcários e clima quente e seco, combinação ideal para o crescimento das trufas.
E por isso eu repito: Cahors, a região do desconhecido ludibriante, dentro de cada um dos seus pequenos mundos e de seus infindáveis vales, nascem as trufas e os vinhos dos melhores perfumes negros...

Créditos:
Conheçam o ótimo site da Grape Radio: http://www.graperadio.com/